Coco de Tebei

Mapeamento cultural de Tacaratu

Depois da publicação do mapeamento cultural da cidade de Floresta/PE, o Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo concluiu o mapeamento inicial de artistas, grupos e instituições culturais de Tacaratu/PE. Porém, como todos os outros publicados aqui no blog, não é um mapeamento definitivo. Provavelmente, estão faltando nomes importantes para a cultura do município. Esses são os dados que a coordenação de pesquisa conseguiu reunir até o momento. Todas as informações foram obtidas através dos próprios grupos e artistas. Quem puder contribuir para este mapeamento cultural, por favor, envie comentários, sugestões, correções ou imagens para o e-mail do Ponto de Cultura: sertaoitaparicamundo@gmail.com

Coco de Tebei

 

Tebei é o nome dado, em Tacaratu, ao coco cantado e dançado pela comunidade Olho D’Água do Bruno, com a intenção de aplainar o chão de barro de uma casa cuja construção está sendo finalizada. A dança é executada por casais, as mulheres também cantam e os homens marcam o ritmo percussivo com os pés. Não há instrumentos musicais no coco. O grupo Coco de Tebei mantém esta tradição de música e dança pouco difundida em outras regiões do Estado. A primeira documentação a respeito dessa manifestação popular foi feita em 1938, como parte da Missão de Pesquisas Folclóricas, coordenada por Mário de Andrade. O Coco de Tebei canta e dança o coco e a valsa. O primeiro tem a função de pisar a terra e o segundo alisar a superfície. Outro gênero musical de tradição oral da região é o rojão-de-roça, canto de trabalho que obedece a uma estrutura de pergunta e resposta. O Grupo vem se apresentando em diversas cidades do Brasil, como Fortaleza/CE (Feira da Música-2007); São Paulo/SP (SESC Vila Mariana-2006); Cabo de Santo Agostinho/PE (Festa da Lavadeira-2005/2006); Garanhuns/PE (18º Festival de Inverno de Garanhuns-2008); Bezerros/PE (São João-2008) e Recife/PE (Programação de Natal do Marco Zero). Em 2008, lançaram o CD-DVD, Eu Tiro o Couro do Dançador, produzido pela Sambada Comunicação e Cultura, com incentivo do Governo do Estado de Pernambuco. O CD, com 16 faixas, conta com as participações especiais de Beto do Bandolim, Maciel Salú, Sergio Cassiano, ChicoCorrea (Chico Correa & Electronic Band), Juliano Holanda e Gilú (Orquestra Contemporânea de Olinda), Nilton Júnior (Pandeiro do Mestre) e Zé Marcolino (zabumbeiro de Tacaratu). No DVD, há o documentário Tebei (20′), com direção coletiva, que retrata a vida do Grupo e seus integrantes, mostrando o dia-a-dia do povo do Sertão, com suas alegrias e tristezas.

Contato: Sambada Comunicação e Cultura – (81) 3429 7625 – sambadacom@gmail.com

Zabumbeiros de Tacaratu

 

 

O folguedo banda de pífanos possui uma formação instrumental típica ocorrente em várias partes do Brasil. Porém, nos estados da região Nordeste é onde se encontra a maior parte dos grupos em atividade. Atualmente, sua composição instrumental é formada por dois pífanos de mesmo tamanho; um zabumba; um tarol ou caixa; um surdo e um par de pratos. Em alguns casos, há a utilização de um triângulo no lugar dos pratos ou a não utilização de ambos os instrumentos na formação. Possui diversas denominações, dependendo da região. Em Tacaratu, recebe a denominação de zabumbeiros. O principal grupo da cidade é o Zabumbeiros de Tacaratu, formado pelos músicos Eloi Cruz (zabumba); Zé Marcolino (caixa); Sebastião Gomes (pífano) e Matias da Silva (pífano). O grupo existe há muitos anos e vem modificando sua formação conforme o falecimento ou mudança de região de algum integrante. Já se apresentaram em diversos eventos nas cidades de Floresta, Olinda, Petrolândia, Tacaratu, entre outras. Os Zabumbeiros de Tacaratu também tocam em diversos eventos religiosos ligados à Igreja Católica e as tradições dos índios da etnia pankararu. Participaram do projeto Entre Santos e Encantados, ministrando oficinas práticas para crianças e adolescentes das cidades de Tacaratu e Jatobá.

Contato dos Zabumbeiros de Tacaratu: Eloi Cruz (87) 9901 1830

Pifeiros que atuam em Tacaratu:

- Sebastião Gomes da Silva – aldeia pankararu Logradouro (Petrolândia)

- José Matias da Silva – aldeia pankararu Logradouro (Petrolândia)

- Ângelo da Silva Neto – aldeia pankararu Brejo dos Padres (Tacaratu) – telefone: (87) 3843 1706

- José Antônio da Silva “Zé Branco” – aldeia pankararu Saco dos Barros (Tacaratu)

- Eduardo Manoel dos Santos – aldeia pankararu Saco dos Barros (Tacaratu)

- Benedito Francisco de Brandão – aldeia pankararu Agreste (Tacaratu)

- Arthur Francisco de Sá – aldeia pankararu Agreste (Tacaratu) – telefone: (87) 9936 9323

- Clovis Ângelo da Silva – aldeia pankararu Brejos dos Padres (Tacaratu) – telefone: (87) 3843 1706

Índios pankararus

 

Dados da UFPE indicam que exista, aproximadamente, 5.300 índios pankararus distribuídos entre os municípios de Tacaratu, Petrolândia e Jatobá. Não há um número preciso de aldeias, mas, algumas informações indicam de 13 a 25, sendo Brejo dos Padres a principal delas, localizada em Tacaratu. É nesta aldeia que se encontram o Posto Indígena da FUNAI; o posto de Saúde; a escola e a igreja de Santo Antônio. A FUNAI organizou a área pankararu em dois processos fundiários: Terra Indígena Pankararu (centralizada na aldeia Brejo dos Padres) e Terra Indígena Entre-Serras (centralizada na aldeia Serrinha). Existem discordâncias antigas entre os índios de Serrinha e de Brejo dos Padres. Nas aldeias, há a presença de grupos artísticos organizados, como o grupo de dança Pankararu Nação Cultural, coordenado por George Vasco. Os pankararus também mantêm tradições culturais importantes como a dança do Toré; as celebrações do Menino do Rancho e a Festa da Corrida do Umbu, esta última, celebrada todos os anos. Em janeiro, durante a Festa de Nossa Senhora da Saúde (padroeira de Tacaratu), os pankararus são reverenciados pela igreja católica e comunidade, abrindo as celebrações.

Contato: George Vasco –
sarapopankararu@gmail.com

Blog do grupo Pankararu Nação Cultural – pankararunacaocultural.blogspot.com.br/
Corrida do Umbu – sertaoitaparicamundo.blogspot.com.br/2010/01/corrida-do-umbu-e-uma-manifestacao.html 

Noite dos Passos – sertaoitaparicamundo.blogspot.com.br/2010/02/noite-dos-passos_19.html

Terreiro de Vicente Baiano

 

Terreiro de jurema comandado pelo zabumbeiro e mestre juremeiro Zé Marcolino, localizado no Sítio Gameleira. Segundo estudiosos, a jurema sagrada descende das tradições religiosas de povos indígenas dos estados da Paraíba, Rio Grande do Norte e, principalmente, do Sertão de Pernambuco. Além de influências indígenas, a jurema incorporou elementos da cultura africana e europeia. Na região do Sertão de Itaparica é praticada por quase todas as etnias indígenas. Seu Zé Marcolino, que possui sangue pankararu, além de ser devoto de santos ligados à Igreja Católica, também realiza trabalhos com os encantados das matas e rios. Os encantados, segundo Zé Marcolino, são “índios vivos que se encantaram” de forma voluntária ou involuntária. Portanto, o culto a eles não pode ser confundido com o culto aos mortos. Zé Marcolino não possui telefone ou e-mail.

Ponto de Cultura Tacaratu – Filhos da Terra

Administrado pela PROSA-Projetos para o Semiárido, é o único Ponto de Cultura da cidade de Tacaratu. O principal objetivo é atender estudantes de baixa renda, que tenham concluído o ensino médio ou normal nas escolas públicas do município, oferecendo oficinas de artes plásticas; fotojornalismo; audiovisual; webdesign e informática.Contatos: Ana Araujo (81) 9663 3710 – fotoanaaraujo@gmail.com; Martinha Queiroz (87) 3843 1545 e Joana Silva (87) 3843 1194 – jotacaratu@hotmail.comEndereço: Rua da Matriz, 57 – Centro – Tacaratu/PE – 56480-000.

Fotografias: 01 – Marcelo Soares; 02 – Pedro Rampazzo/Sambada; 03 e 04 – Paloma Granjeiro/Sambada.

Uma ideia sobre “Mapeamento cultural de Tacaratu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>