Arquivo mensais:janeiro 2011

Besouro e as chuvas de janeiro

O CineClube Florestano iniciou suas atividades de 2011, exibindo, em frente ao Bar dos Amigos, na praça Cel. Fausto Ferraz, a ficção Besouro (RJ, 2009), do diretor João Daniel Tikhomiroff. Foi num domingo nublado com nuvens escuras passeando por Floresta. A decisão da coordenação foi armar todo o equipamento e, caso chovesse, a sessão seria interrompida.

O público foi de 60 pessoas, aproximadamente, menor que durante a exibição de novembro, no mesmo local. As nuvens continuaram no céu, Besouro terminou, o público aplaudiu. Hora de montar o “palco” para a  banda Maria das Dores tocar. Quando estava tudo pronto, com a ajuda do amigo e colaborador Marcondes (técnico de som) a chuva resolveu cair… Uma correria danada!
Pena! Mas, ficou acertado com Bemmer e os outros músicos da Maria das Dores que, quando passar as chuvas de janeiro, o CineClube Florestano fará a exibição de outro filme com o pocket show da banda. Chuva no Sertão nunca é demais!

Fotografia: Paloma Granjeiro/Sambada.
DSC_0042

Segundo CD de Ferrugem

Ferrugem está no Fábrica Estúdios gravando seu segundo CD solo. Será um álbum em comemoração aos seus 40 anos de música, completados em 2010. O disco está sendo produzido pela Sambada Comunicação e Cultura com incentivo do Funcultura. No repertório, composições de Ferrugem e de compositores contemporâneos como Sergio Cassiano, que também assina a direção musical; Cláudio Rabeca; Juliano Holanda; Publius e Geraldo Maia, além de um clássico de Rosil Cavalcanti, pernambucano de Macaparana.

O CD leva o nome do Mestre e não será um álbum tradicional de coco, como o anterior. Vem com samba, xote, pegadas de umbanda, violão, cavaquinho, baixo… um disco de música brasileira. O lançamento está previsto para depois do Carnaval.
Trajetória – Wilson Bispo dos Santos ou Ferrugem, como é conhecido no meio artístico, tem 59 anos. Iniciou-se na música há mais de 40, observando os mestres e mestras de coco animar as rodas dos bairros de Amaro Branco e Monte, em Olinda, cidade onde nasceu. Aprendeu a compor, cantar e tocar pandeiro e, aos 17 anos, partiu para uma artística, paralela à profissão de marceneiro.

Ferrugem cantou em bandas que animavam bailes nas periferias de Olinda e Recife. Depois de um tempo sem se apresentar – devido a um problema de saúde que o deixou com dificuldades de locomoção até hoje – voltou a fazer shows em várias cidades de Pernambuco.

Em 2004, participou da gravação do CD Coco do Amaro Branco, uma coletânea com mestres do bairro olindense, considerado uma das bases do coco pernambucano. Em 2007, lançou o CD solo Mestre Quando Canta, Discípulo Tem que Respeitar, com 12 faixas. Ferrugem também é um dos protagonistas do longa-metragem (35 mm) O Coco, a Roda, o Pneu e o Farol (PE, 2007), de Mariana Brennand, que conta a história do bairro de Amaro Branco e seus moradores.

Ferrugem já participou de alguns festivais de música e cultura como Tangolomango Festival da Diversidade (RJ); Festival de Inverno de Garanhuns (PE); TEIA Brasil 2010 – Tambores Digitais (CE); Cena Musical.BR (PE), entre outros.

Link: myspace.com/mestreferrugem

(Fotografia: Pedro Rampazzo/Sambada. Ferrugem cantando na Teia Brasil 2010 – Tambores Digitais, Fortaleza/CE).

DSC_1940

Mapeamento: artistas, grupos e instituições culturais de Floresta

Entre as ações desenvolvidas pelo Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo está a realização de um mapeamento, em todas as cidades do Sertão de Itaparica, de artistas, grupos e intituições culturais que trabalham com as diversas linguagens artísticas, principalmente, os que possuem relação com as tradições populares nordestinas.Cada cidade terá uma relação de nomes expressivos da cultura local, sobre os quais haverá um pequeno texto de apresentação, imagem, link e contatos. Ao final dos trabalhos, o Ponto terá em mãos um panorama cultural contemporâneo do Sertão de Itaparica, que será entregue para as prefeituras da região; Fundarpe; Ministério da Cultura; Pontos de Cultura; bibliotecas etc.

Abaixo, está descrita a primeira parte do mapeamento realizado na cidade de Floresta. Aproveitamos para salientar que a participação das Prefeituras; dos artisas e grupos e da população em geral é fundamental para o bom resultado do mapeamento. Qualquer envio de comentários, sugestões, correções, imagens etc.; pode ser feito através do e-mail do Ponto de Cultura: sertaoitaparicamundo@gmail.com

 Confraria de Nossa Senhora do Rosário de Floresta

A Confraria é uma irmandade religiosa fundada, há mais de 200 anos, por escravos africanos. Considerada um foco de resistência negra, ela é apontada como uma comunidade quilombola. Como os negros da região só tinham um dia de descanso no ano (31 de dezembro), estes coroavam, na ocasião, um rei e uma rainha para mostrar aos brancos que também possuíam sangue nobre. Em seguida, o grupo partia para a missa na Igreja do Bom Jesus dos Aflitos, atual Igreja de Nossa Senhora do Rosário, e voltavam à casa da irmandade onde era distribuído almoço para todos. Não se sabe ao certo a data da primeira celebração realizada pela Confraria do Rosário, mas consta em registros que, desde 1792, reis e rainhas negros eram escolhidos como representantes dos escravos da região. Na época, a coroação acontecia na Igreja do Bom Jesus dos Aflitos, dentro da Fazenda Grande, que posteriormente deu origem à cidade de Floresta. A tradição é preservada até hoje pelos 36 membros da Irmandade. Todos os anos, no dia 31 de dezembro, há um roteiro de celebração, que começa logo cedo, com um café da manhã para o rei, na casa de uma das mulheres mais velhas da irmandade. Em seguida, os membros, turistas, curiosos e moradores acompanham a realeza até a igreja, onde é celebrada uma missa. Logo após, todos se encontram com a rainha, na casa da Confraria, onde é servido o almoço. Por último, há a coroação dos novos reis, que ocuparão o posto durante próximo ano. A Confraria de Nossa Senhora do Rosário, desde 2007, é tombada como Patrimônio Vivo de Pernambuco, pelo Governo do Estado.

Contato: (87) 38771919; (87) 99328961 (João Luiz) jlmacambira@hotmail.com
Endereço: Praça Antônio Ferraz Boiadeiro, 111 – Centro – Floresta – PE

 Memorial Conceição Cahú

Museu dedicado a artista gráfica e jornalista pernambucana Maria da Conceição de Souza Cahú (Floresta, 1949, – Recife, 2007), conhecida por suas caricaturas, quadrinhos, cartuns,ilustrações, charges, desenhos, guaches e aquarelas. Conceição Cahú foi uma das poucas mulheres que obteve êxito como desenhista no Brasil. É considerada por muitos críticos e jornalistas, a melhor ilustradora em bico-de-pena que já trabalhou na imprensa brasileira. Seu traço possui a elegância do clássico e a criatividade do contemporâneo. Estudou belas artes no Recife e, aos 25 anos, foi morar em São Paulo, trabalhando em diversos veículos de informação como as revistas Placar, Cláudia, Nova, Capricho, Playboy e Visão e os jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde, Gazeta Mercantil e Diário Comércio e Indústria. Porém, foi no jornal Gazeta Mercantil que realizou seu mais destacado trabalho. O jornal, especializado em economia, não veiculava fotos. Os retratos de empresários e políticos em bico-de-pena que Cahú produziu por quase 30 anos, tornaram a Gazeta mais atraente. Foi premiada no 19º Salão Internacional de Humor de Piracicaba (1992), com o trabalho Uma História de Amor, homenagem a Carlos Zéfiro, e criou figurinos para o Carnaval da Escola Pérola Negra, além de diversos trabalhos para o time de futebol Corinthians, ambos de São Paulo. Todo esse material está guardado e exposto no Memorial Conceição Cahú.

Contato: (87) 38771004 (Antônio Cahú) -
Endereço: Praça Capitão Emílio Novaes, 212 – Centro – Floresta – PE

 Filarmônica Nelson Barros da Rosa

Filarmônica da Prefeitura Municipal de Floresta. Há mais de 30 anos, o músico João Barros da Rosa – hoje com 82 anos – tinha o desejo que Floresta tivesse sua própria filarmônica, para que a mesma tocasse nos eventos do município no lugar das bandas de cidades vizinhas, como era o caso. Porém, só em 1989, João Rosa conseguiu que a administração municipal criasse, definitivamente, a Filarmônica Nelson Barros da Rosa. Atualmente, a filarmônica é regida pelo maestro Zeferino Pereira de Lima e conta com 34 integrantes, entre jovens e adultos. A maior parte dos professores de música de Floresta atuam na filarmônica

Contato: (87) 38771375 (João Rosa); (87) 38771553 (Secretaria de Educação de Floresta); (87) 96362088 (Iná do Carmo – Diretora de Cultura de Floresta) inadocarmo@hotmail.com

Os Vilarim

Grupo de forró pé-de-serra formado em 1999, pelos irmãos Vilarim. Inicialmente, era apenas uma brincadeira entre irmãos e amigos. Cada integrante tinha outra profissão, mas de tocada em tocada, foram se profissionalizando e, atualmente, é um dos principais grupos artísticos de Floresta. O grupo já lançou alguns CDs, entre eles: Com o Pé da Estrada (2000), que conta com a participação especial de Alcymar Monteiro, Jorge de Altinho, Genaro e Josildo Sá; e Forró com Tutano (2007). A banda já se apresentou em diversas cidades do Nordeste. Formação atual: Pedro Vilarim (voz); Fábio Vilarim (zabumba); Lula Vilarim (percussão); Marçal (efeitos e triângulo); Netunes (contrabaixo); Gustavo Lemos (flauta e cavaquinho); Pedro Euzébio (sanfona) e Zé Luiz (sanfona).
Contato: (87) 38773135; (87) 38771470; (87) 99390527 (Pedro Vilarim)
Link: palcomp3.com/osvilarim

Quarteto de Choro

Grupo de música instrumental, criado em 1994, na cidade de Floresta, que executa um repertório de músicas autorais e versões para clássicos do choro, samba, MPB, frevo e bossa-nova. Já participou de dezenas de eventos culturais em cidades do sertão de Pernambuco, apresentando-se em clubes, bares, festivais e festas particulares. Em 2000, lançaram o CDR Floresta Tocando Chorinho. Formação atual: Gustavo Lemos (saxofone e flauta); Zezinho Cahú (violão); Madeirinha (pandeiro) e Flávio Souza (clarinete).

Contato: (87) 99268212 (Gustavo Lemos)

Orchestra de Pífanos de Floresta

Grupo musical instrumental criado a partir das oficinas de pífano, caixa e zabumba (2009) ministradas pelo Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo, formado por jovens e adultos da cidade de Floresta. A coordenação musical é do professor e músico Gustavo Lemos, da Filarmônica Nelson Barros da Rosa. A Orchestra já se apresentou em pequenos eventos organizados pela Prefeitura de Floresta e no Festival de Cultura Sertão Itaparica Mundo. Os instrumentos utilizados pela Orchestra são pífanos, caixa, zabumba, surdo, pratos e triângulo. Formação atual: Gustavo Lemos (diretor musical e pífano); Adriana Pereira (pratos); Flávio Souza (pífano); Marçal (zabumba) e os alunos Eberson Barbosa; Jenicleiton Afonso; Eberton Sandro; Edgar Alves; Leandro Tadeu; Jeniclésio Afonso e Fábio Jesus da Rosa.

Contato: (81) 34297625 (Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo) – sertaoitaparicamundo@gmail.com

Maria das Dores

Banda com influências do Movimento Mangue, criada em 2004, pelo músico e compositor Bemmer. A Maria das Dores, que passou por algumas formações, já se apresentou em Belo Horizonte/MG e em cidades do Nordeste. Participou de festivais como o Pré-Amp, no Recife (2006) e o Radiola Festival, em Itabaiana/SE (2007 e 2008). Lançaram o CDR Maria das Dores (2007), com 12 faixas. A banda participa da trilha sonora dos vídeos O Professor e o Palhaço (SE, 2008) e Geni e o Zepelim (SE, 2010), do diretor Robério Santos (Xiquita Produções). Formação atual: Bemmer (vocal, guitarra, violão e percussão); Junior (flauta, sax, vocal e percussão) e Kleu (vocal e percussão).
Contato: (87) 99931214 (Bemmer) – bemmer_augusto@hotmail.com
Link: http://www.youtube.com/watch?v=jx23ehFsWS0

 Novanguarda

Formada em 2007, a Novanguarda é uma das bandas de rock mais atuantes do Sertão. Participou dos CDs: Álbum Branco – Indie Version (2010-Discobertas) e do Beatles 67 Volume 2 (2008-Discobertas). Com formação power trio: Júlio Ferraz (voz e guitarra); Manoel Fubica (baixo) e Carlinhos V10 (bateria), faz uma fusão de rock psicodélico dos anos 1960 com o pop dos 2000. Já se apresentou em diversos eventos e festivais do Nordeste como Festival Sertão Itaparica Mundo (2010); Recife Noise (2008); São João de Arcoverde (2007 e 2008); Seletivas do PE no Rock (2007); Desbunde Elétrico (2009) e Capibaribe in Rock (2009), além de apresentações na Região Metropolitana do Recife. A banda prepara o CD A Máquina de Retratos, primeiro disco solo que está sendo produzido, há dois anos, por Júlio Ferraz; uma espécie de “mini ópera rock. Atualmente, os músicos vivem e trabalham no Recife.
Contato: (81) 94238792; (81) 86493780; (81) 99945927 (Júlio Ferraz) – juliovanguarda@hotmail.com – Link: myspace.com/novanguarda

Banda Futuka

 Banda de forró que apresenta um repertório com músicas de autores nordestinos como Luiz Gonzaga; Jackson do Pandeiro; Petrúcio Amorim; Nando Cordel; Maciel Melo, Acciolly Neto, entre outros. A Banda Futuka, formada em 2003, pelo músico Kêco Cavalcanti, também executa um repertório de frevos e marchinhas durante o período de Carnaval. Já se apresentou em diversas cidades: Petrolina; Tacaratu; Jatobá; Garanhuns; Caetés; Itacuruba; Belém de São Francisco; Canudos (BA), entre outras. Lançou o CD Forró Futuka (2010). Formação: Kêco Cavacanti (voz, violão e triângulo); Anderson Rail (voz); Rafael San (bateria); Everton Diogo Freire (baixo); Lazaro Alécio (guitarra); Vanderlei Luís (Acordeom); Gustavo Lemos (flauta) e Rogério Negão (zabumba).
Contato: (87) 96265887 (Kêco Cavalcanti) – kekoebanda@hotmail.com

 Caroá & Cia.

Criada em 2007, inicialmente com o nome de Sisal, a Caroá & Cia. é uma companhia de dança formada por jovens e adultos de Floresta, coordenada pelos coreógrafos Fátima Rocha e Francinaldo Assis. As coreografias da companhia são inspiradas em ritmos populares de Pernambuco como o maracatu, o caboclinho e o frevo. O grupo já realizou oficinas e apresentações em Floresta, Cabrobó, Salgueiro e Itacuruba. A companhian participou do Festival Pernambuco Nação Cultural (2009) e da Abertura dos Jogos Escolares Municipais de Floresta (2010). Atualmente, a companhia desenvolve pesquisa para o Projeto Identidade Cultural de Floresta, que resultará num espetáculo cênico. Além dos coreógrafos, o grupo é formado pelos bailarinos: Alba Ferreira; Cristiano Nascimento; Dayla Maria; Gleide Moura; Jéssica Paiva; Thalyta Aquino; Túlio Felipe e Wagner Souza.
Contato: (87) 96014913; (87) 96171166 (Fátima Rocha) – caroa.cia@gmail.com

Fotografias: 01 – Cortejo da Confraria de Nossa Senhora do Rosário (Pedro Rampazzo/Sambada); 02 – Antônio Cahú no Memorial Conceição Cahú (Marcelo Soares); 03 – Filarmônica Nelson Barros da Rosa (Pedro Rampazzo/Sambada); 04 – Orchestra de Pífanos de Floresta (Marcelo Soares); 05 – Novanguarda no Festival Sertão Itaparica Mundo (Marcelo Soares).

CARTAZ JANEIRO 2011 CINE CLUBE FLORESTANO

Primeira sessão de 2011: Besouro

Começar as ações de 2011 com um evento no meio da rua, unindo as linguagens do audiovisual e da música. Essa é a proposta do Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo para janeiro, mês de férias escolares e descanso. O filme escolhido pela coordenação do CineClube Florestano foi Besouro (RJ, 2009), do diretor João Daniel Tikhomiroff.

O filme Besouro conta a história do capoeirista baiano Manoel Henrique Pereira, conhecido como Besouro, dono de um grande talento no jogo da capoeira. Depois da morte de seu mestre pelos capangas de um Coronel, percebe que seus dons devem ser usados para proteger seu povo, que está acuado e oprimido.

Com a influência do espírito de seu mestre, ele se harmoniza com os orixás e com a natureza e vai descobrindo seus poderes mágicos, que o transformam em heroi de seu povo. Besouro foi exibido no circuito comercial em várias cidades do Brasil e teve boa repercussão na mídia.

Após a exibição, haverá um pocket show com a banda Maria das Dores, de Floresta. Liderada pelo músico Bemmer, o grupo já se apresentou em várias cidades do Nordeste, inclusive, no Recife, durante o Festival Pré-Amp (2006). Depois de um tempo “arrumando a casa” a banda está voltando aos palcos com uma nova formação e repertório. Vamos todos prestigiar!

Arte do cartaz: Camila Cahú.

DSC_1669

CineClube Florestano: divulgando o Brasil através do cinema

Em março de 2010, o Ponto de Cultura Sertão Itaparica Mundo dava início ao CineClube Florestano na região do Sertão de Itaparica. A maior parte das ações, por conta de limitações logísticas, ainda acontecem na cidade de Floresta. A coordenação tem trabalhado para realizar sessões em outros municípios do Sertão de Itaparica, incluindo-se aí as localidades de difícil acesso, como as aldeias indígenas e as comunidades rurais.

Durante a 1ª Mostra Nacional Curta Sertão, em setembro de 2010, o CineClube Florestano deu os primeiros passos em direção a uma itinerância mais frequente das exibições. Foram realizadas sessões na aldeia pankararu Brejo dos Padres (Tacaratu/PE) e na aldeia pipipã Travessão do Ouro (Floresta/PE). A receptividade do público foi muito boa e, através de conversas com lideranças e professores das aldeias, percebemos que o interesse por informação é grande.

O foco do CineClube Florestano é o cinema nacional. A coordenação acredita que o audiovisual é uma ferramenta de educação, conhecimento e informação muito valiosa. A interação com a coordenação pedagógica das escolas  que integram a demanda sócio educativa do CineClube ainda é modesta. A maior parte dos educadores não participa da curadoria da programação. Em 2011, vamos buscar uma maior aproximação.

Em números, o CineClube Florestano exibe uma quantidade expressiva de ações voltadas para o audiovisual. Além de criar a Mostra Nacional Curta Sertão, realizou 26 sessões em diversos espaços, exibindo um total de 75 filmes, sendo 64 curtas-metragens e 11 longas-metragens. Outro ponto positivo, conquistado pelo CineClube Florestano, foi a constituição de um acervo próprio, atualmente, formado por mais de 500 títulos que vão de grandes clássicos até filmes contemporâneos. Em 2011 tem mais!

Fotografia: Pedro Rampazzo/Sambada. Sessão na aldeia Brejo dos Padres, em Tacaratu/PE, durante a 1ª Mostra Nacional Curta Sertão – 15/09/2010.