Arquivo mensais:fevereiro 2010

Terreiro (2)

A Noite dos Passos

Em 2010, os rituais pankararus começam a partir do dia 20 de fevereiro com a Noite dos Passos, um ritual no qual Tonam de Caroá (praiá) faz coreografias imitando vários tipos de animais junto com as tubinas (dançadeiras). Vários animais e aves são imitados: porco, urubu, peixe, abelha, cachorro, formiga, sapo, papagaio, entre outros.

Os praiás são os antepassados encantados a que atribuímos nossa fé, são os guardiões da nossa tribo, protetores dos índios. Os principais são: Mestre Guia, chefe de todos os encantados; Cinta Vermelha, o subchefe; e Xupunho, o terceiro chefe.

Qualquer índio homem da tribo pode vestir o roupão de caroá (roupa do praiá), basta passar o tempo marcado tomando banho de ervas, não beber bebidas alcoólicas, não usar perfumes e não se relacionar com mulheres.

O homem que estiver vestido com o roupão de caroá não pode revelar seu rosto ou seu nome para a população que estiver presente no ritual. Toante é um canto por meio do qual os pankararus invocam os nossos antepassados, encantados, uma coisa que é muito levada a sério. Toré é um canto que já é significado de alegria e festa.

Os pífanos são instrumentos de muita importância no ritual do Umbu, porque, desde o tempo antigo, era assim que os pankararus ritmavam nossos toantes, e não podemos jamais contrariar o que já vinha sendo feito. A Corrida do Umbu é um ritual tradicional e religioso. É equivalente ao período da Quaresma para os católicos.

Os índios pankararus possuem sua própria penitência através do cansanção (uma espécie de urtiga), um tipo de sacrifício para os encantados, por isso a Corrida do Umbu é a penitência dos pankararus.

Texto escrito por Karen Juliana, 17 anos, estudante do segundo grau e monitora do projeto Entre Santos e Encantados, realizado pela Sambada Comunicação e Cultura, em 2009, com incentivo do Funcultura. Karen é índia pankararu e mora em Jatobá.

Foto: Pedro Rampazzo/Sambada – Terreiro Poente na Aldeia Brejo dos Padres (Tacaratu), um dos locais sagrados onde acontecem rituais pankararus.